‘Silvio Santos’ fala das Demissões da ‘Record’, da volta de ‘Gugu’ ao ‘SBT’ e elogia a ‘Globo’

Divulgação

Silvio Santos não gosta de dar entrevistas e diz que não é artista. “Não vejo nada de extraordinário na minha profissão. Tenho de ter um tratamento como outro vendedor que vende geladeira ou aparelho de TV. Sou um vendedor que usa a eletrônica para vender seus produtos, artsitas, programas”, explica o domo do SBT e apresentador ao jornal “Folha de S. Paulo” deste domingo (23). “Artista é quem dança, conta piada, sapateia.”

Alguns encontros de um repórter do veículo com Silvio na porta do salão Jassa, em São Paulo, onde ele bate-ponto antes de gravar seu programa dominical, renderam uma entrevista em que o dono do SBT fala sobre a concorrência, a volta de Gugu Liberato e a filha que pode sucedê-lo, Patrícia Abravanel.
Sobre a Record
“A Record está perdendo um dinheirão. Está administrando mal. Está jogando dinheiro fora”, diz ele sobre sua maior concorrente, a emissora do bispo Edir Macedo, da Igreja Universal. 

“Estamos lutando. O lugar [no ranking de audiência] é importante, mas a administração [correta da empresa] é melhor. A Record está perdendo um dinheirão. Por quê? Porque está administrando mal. Está jogando dinheiro fora [risos]”.
“Muito bem (o SBT). Dentro daquilo que a gente quer. Nós vamos acompanhando: se o mercado evolui 5%, a gente tenta conseguir 5%. Se dez, é dez. Agora, a Record faz milagre, né? A Record está faturando os tubos. A Record, você vê, está perdendo um dinheirão. Por quê? Porque está administrando mal. Estão jogando dinheiro fora (risos). Jogou fora, não pode ganhar, né? Mas a gente nunca sabe exatamente a situação da Record. Porque lá não tem necessidade de dinheiro”. 

Ao ser informado sobre as demissões na rede de Edir Macedo, ele brincou: “Não sei por que estão demitindo. Isso aí deve ter sido alguma decisão na Igreja Universal. Deve estar havendo algum bate-boca na igreja”. 
    

Silvio Santos, que é judeu, afirma ser contra vender horários para igrejas no SBT. “Eu não vendo horário religioso. É contra o meu princípio. Judeu não deve alugar a televisão para os outros. Você não sabe que os judeus perderam tudo quando deixaram outras religiões entrarem em Israel? A história é essa. No dia em que os judeus começaram a deixar que outros deuses fossem homenageados em Israel, os babilônios foram lá e tiraram o templo e jogaram os judeus para fora. O judeu não pode deixar que na casa dele tenha outra religião. É por isso que não deixo nenhuma religião entrar no SBT.”

Sucessora na TV
Segundo o jornal, a filha Patrícia Abravanel diz que que é a que mais trabalha no SBT. Silvio confirma: “É, trabalha bem, sim”. E, aos 82 anos, também admite a possibilidade de ser sucedido na TV por ela. “Ela está indo. Tá melhor do que eu esperava.”
Volta de Gugu Liberato
O dono do SBT afirma que ainda não há nenhuma negociação com Gugu Liberato após sua recente saída da Record. “Por enquanto, o Gugu não veio nos procurar não”, diz, e avisa que a porta está sempre aberta para ele. “Somos uma casa de negócios. Nós não temos esse negócio de saiu, não pode voltar. Todo mundo pode entrar e todo mundo pode sair, dependendo da negociação.” E continua: “A gente pode fazer um outro acordo qualquer. Contanto que ele ganhe dinheiro e nós ganhemos dinheiro, não tem problema.”

Sobre a Globo

“Agora, a Globo sempre foi popular. É a que tem mais audiência. A que tem mais audiência é a mais popular. A Globo é a principal emissora do Brasil. Ganha muito dinheiro. As outras vivem” [Rá-rá-rá]”.

Na TV de Silvio
Na entrevista, o apresentador contou o que passa na televisão de sua casa. “Eu vejo muito filme. Geralmente vejo documentário, biografia.”



Fonte:Primeira Hora/IG/Yahoo/Na Telinha